fbpx

Perfil dos candidatos

Neudes Carvalho – @neudescarvalhosp
Número: 12.789

“Vai ter mulher preta, periférica na politica, sim!”. Neudes é mãe, preta, periférica e militante política na luta por moradia. Baiana natural de Ubaí, foi criada na Cohab de Vila Nova Cachoeirinha que fica na zona norte de São Paulo.

Formada em administração com pós-graduação em comunicação, busca efetivar projetos contra a mão de obra precária e está engajada nos trabalhos da frente parlamentar na Assembleia Legislativa de SP em combate à violência contra a mulher, ao Feminicídio e aos relacionamentos abusivos.

 A candidata atuou por anos no setor de call center, por isso luta contra o trabalho precário nesta área e tem apoiado a luta dos trabalhadores de aplicativos.

Neudes Carvalho acredita que as mulheres periféricas são múltiplas e agora é a hora delas ocuparem todos os espaços necessários para a mudança da cidade, lutarem pelo povo, já que são elas quem cuida das próprias famílias e das famílias das elites do país.


Adriana Vasconcellos –@profadrianavasconcellos
Número : 65100

A especialista em educação étnico racial e líder da Rede de Ação Política pela Sustentabilidade, RAPS, Adriana Vasconcellos é lutadora antirracista pelo direito das mulheres e uma das responsáveis pelo projeto de intercâmbio cultural “A Journey Through the African Diaspora”, programa do governo Norte-Americano.

Professora e mãe, Vasconcellos foi orientadora da primeira publicação do artigo, de um aluno do Ensino Médio da escola pública, na revista científica da USP, além de ter sido premiada no 2° Prêmio de Educação em Direitos Humanos pela Secretaria de Direitos Humanos de São Paulo.

Militante e integrante do MMNB, Movimento Mulheres Negras do Brasil, ocupou o cargo de assessora parlamentar por dois anos na Câmara dos Vereadores, onde apresentou sugestões de projetos de lei, que foram aprovados, para a emancipação da população negra, mulheres vítimas de violência domésticas e para as tão perseguidas matrizes africanas.

Leticia Gabriella – @leticiagabriellasp
Número: 12020

A jovem nascida na Vila Carmosina, atualmente vive no Jardim Fernandes, na Zona Leste de São Paulo onde se inseriu em movimentos sociais com objetivo de garantir direitos básicos para pessoas em situação de rua.
Leticia Gabriela atua como voluntária da Educafro desde 2014 e já atuou como analista de comunicação e assessora de campanha política. Idealizadora do projeto Impacta Perifa, ela trabalhou na assessoria jurídica na ouvidoria de Direitos Humanos e Cidadania.

Ativista política partidária pelo PDT, Leticia atua na pasta da direção do Movimento Negro do mesmo partido em SP, além disso, é presidenta da Ação da Mulher Trabalhista, AMT e é vice do diretório PDT na capital.

Tamires Gomes Sampaio – @soutamires.sp
Número: 13011

A advogada e mestra em direito político e econômico pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Tamires Gomes Sampaio, é diretora do Instituto Lula, militante da CONEN, Coletivo de Entidades Negras, e candidata vereadora em São Paulo pelo PT.

Primeira mulher negra a presidir o Centro Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie acredita que transformar a cidade equivale a transformar nossas vidas.

Andrea Mendes – @pretaacao
Número: 65035

Mulher sertaneja nascida em Itaberaba na Bahia migrou com seus pais para Campinas há mais de 20 anos. Na esperança de uma vida melhor, junto a tantos outros retirantes que migraram, lutou pela ocupação justa de terra e ajudou constituir comunidades como a do Monte Cristo, onde vive.

A comunidade fica no Complexo do Parque Oziel e é a maior ocupação urbana da América Latina. Mulher negra, periférica, mãe e agora avó, buscou nos estudos a sobrevivência e dignidade para si e sua família. Trabalhou no mundo corporativo, espaço em que honrou o lugar enquanto mulher negra acessando posições de influência e decisão.

Formada em Artes Visuais na PUC, abriu mão da carreira executiva para se dedicar aos sonhos e lutas que a movem por meio do pensar e agir socialmente. Como artista visual e arte educadora, luta pela garantia de execução de políticas voltadas às ações afirmativas de raça e gênero.

Keit Lima – @keit.lima
Número: 50777

Mulher preta, gorda, periférica e ativista, Keit Lima é candidata à vereadora na cidade de São Paulo pelo PSOL. Seu propósito de vida e luta é pela equidade racial, de gênero e classe.

Agente de transformação social e movida por conexão com pessoas foi a primeira mulher a residir e coordenar a escola de líderes da Educafro, entidade sem fins lucrativos que luta pela inclusão de jovens negros e brancos de baixa renda no ensino superior.

A candidata é cofundadora do movimento Engaja Negritude tem presença ativa na Marcha das Mulheres Negras, Bancada Preta, Mulheres Negras Decidem, Grupo Mulheres do Brasil e Jurídico do Centro de Cultura e Acolhimento de LGBTQIA+, Casa 1.

Ewerton Carvalho – @advogadoewerton
Número: 19319

Nascido e criado nas periferias de São Paulo, Ewerton Carvalho, viu de perto a dura realidade da violência e da criminalidade. O candidato conseguiu sair desse cenário caótico graças ao hip hop e por meio da dança se politizou e buscou conhecimento para lidar com os problemas do dia a dia.

Ewerton foi militar da Marinha do Brasil e por lá conquistou sua bolsa para cursar direito. Atualmente é advogado e ainda se lembra da época em que foi tomando consciência étnica e social.

Ativista do movimento negro pela Educafro atua diretamente com direito processual civil, direito contratual, cível, criminal e tributário. Representa a Educafro como conselheiro no Conselho Nacional de Segurança Pública e Defesa Social do Ministério da Justiça, é engajado em temas como direitos humanos, ações afirmativas e segurança pública que sempre precisa de atenção em grandes metrópoles, como São Paulo.

Paulão da cultura – @paulaodacultura
Número: 13456

Morador da Cidade de Francisco Morato, região metropolitana de São Paulo, o MC e DJ Paulão da cultura é militante do movimento hip hop há mais de 30 anos, sendo idealizador do 1° fórum de hip hop de sua cidade. Ele também atuou em grupos de RAP como o Atitude Consciente, Quilombo H, Raízes Urbanas e Filhos da Noite.

Paulão é vice-presidente do conselho de participação da comunidade negra de Francisco Morato na sua primeira gestão de implementação da lei e colaborador dos coletivos: Posse Haussa, CPP, Ace Jovem Morato. No universo do rap e hip hop foi curador do projeto Zumbi +10, do 1° encontro de grafite no centro social urbano, do RPB (RAP Popular Brasileiro) organizado pela CUFA em 2009, do evento 4 Cantos Hip Hop América Latina Pela Secretaria de Cultura de São Paulo entre outros eventos de peso.

Ele ainda foi primeiro titular do conselho de desenvolvimento da comunidade negra de Francisco Morato, secretário, superintendente e até diretor da cultura. Paulão da cultura pretende ser agente de transformação por meio da cultura e amplificar tudo isso via poder legislativo.

Arlindo Felipe Jr – @arlindofelipejr
Número: 40.300

Viúvo e pai de três filhas o educador artístico, Arlindo Felipe Jr é pós-graduado em gestão empresarial pela Fundação Getúlio Vargas, FGV. Sempre em busca de conhecimento decidiu que deveria voltar à universidade e atualmente está no 4º semestre do curso de direito.

Nascido e criado na Casa Verde Alta, Arlindo é o filho caçula de três irmãos, de uma humilde família cujo pai é militar e a mãe é do lar. Seu irmão mais velho, diretor sindical do Sintaema, Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, aliás, foi com ele, de quem se recorda com saudade e admiração, que aprendeu os primeiros passos sobre militância por meio das reuniões da Unegro, União de Negros pela Igualdade.

Atualmente Arlindo é coordenador étnico racial do coletivo, Direitos Já, fórum pela democracia, membro da UAB- União Afro Brasil e filiado ao PSB, sendo que no partido atua na negritude e no movimento socialista. E sua principal causa é a militância social com foco na equidade racial da população periférica por meio da articulação de projetos de auxílio e acesso a justiça, tais como mutirões de esclarecimentos para população carente.

Carlos Eduardo – @ditopopular_carlos
Número: 35321

Fundador do projeto social Dito Popular, que ajuda na recolocação de pessoas desempregadas no mercado de trabalho, Carlos Eduardo ministra palestras educativas, ensina inglês nas periferias e promove reflexões sociais.

Engajado socialmente ajuda nas doações de cadeira de rodas, alimentos e roupas para pessoas carentes. O candidato ainda realiza um trabalho que visa promover socialmente pessoas que não tem oportunidades de autodesenvolvimento.

Jesus dos Santos – @fala.jesus
Número: 12.223

Pai, companheiro, DJ e baiano, Jesus dos Santos, nasceu em Salvador e é co-deputado Estadual licenciado da Bancada Ativista. O candidato à vereança de São Paulo junto à coletividade “Periferia é o Centro” é membro da executiva nacional do Frente Favela Brasil.

Dos Santos participou da construção da lei de fomento à cultura da periferia junto ao Movimento Cultural das Periferias (MCP), além disso, foi articulador territorial com a coletividade Casa no Meio do Mundo.

Candidatos a prefeito

Orlando Silva – SP
Número – 65

Candidato pelo PCdoB à prefeitura de São Paulo, Orlando Silva atualmente é deputado federal e está em seu segundo mandato. Oriundo de Salvador, na Bahia, ele é fundador da Unegro e já foi ministro do esporte, presidente da UNE, além de ter sido vereador na capital paulista.

Se eleito prefeito da cidade que é uma das maiores do mundo Orlando Silva pretende trabalhar duro pela população, principalmente que moram na periferia, e trazer melhores oportunidades, igualdade e qualidade de vida.

Dra. Alessandra Ribeiro – Campinas
Número – 65

A historiadora e urbanista pela PUC CAMPINAS, Alessandra Ribeiro dedicou seus estudos para o desenvolvimento de políticas públicas para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial e para a matriz africana.

Alessandra foi gestora cultural da Casa de Cultura Fazenda Roseira, mestre da comunidade Jongo Dito Ribeiro, coordenadora da pós-graduação em Matriz Africana – lato senso FACIBRA/UNIVIDA, além de consultora especializada em estudos sobre gestão cultural de espaços públicos compartilhados e implementação da educação étnico racial.

A candidata à prefeitura de Campinas pelo PC do B já participou de debates e palestrar em países como o Peru, Moçambique, Bolívia, África do Sul e fez parte de comissão de avaliação em editais no Brasil, voltados para a cultura.